A programação do Verão Radical 2020 está no ar!

O evento está imperdível, temos 15 vagas disponíveis, a inscrição custa R$72 reais que serão para cobrir os custos de alimentação (café da manhã, almoço, lanche e janta), estadia e transporte (ida e volta do centro de BH até o sítio) durante os 3 dias.
Nós da GARRa feminista não iremos ter nenhum lucro com esse valor, estamos cobrando apenas o que iremos gastar com o acampamento.

O acampamento é para mulheres maiores de 18 anos, e por ser em um local afastado do centro urbano não iremos aceitar crianças, pois não podemos garantir 100% a segurança delas em um local afastado de hospitais.

Segue a nossa programação!

Programação

Sexta feira – 17 de Janeiro

18 horas – acolhimento

20 horas – apresentação da GARRa e do acampamento

21 horas – Confraternização

Sábado  – 18 de Janeiro

Manhã –

8 horas – café da manhã

9:15 horas – Origens do Patriarcado & História do feminismo radical.

11 horas – Almoço

14 horas – Oficina segurança Digital

17 horas – A importância do feminismo lésbico radical e do fortalecimento das Caminhadas lésbicas do país/ Lesbianismo político – o real debate

18 horas-  documentário Angry Wimmin e debate do filme.

20 horas – Janta/ confraternização

Domingo- 19 de Janeiro

Manhã –

8 horas- café da manhã

9:15 horas – Conjuntura brasileira e o feminismo radical no Brasil.

11 horas –  almoço

14 horas – rodas de conversa/palestras – escolha das participantes por enquete.

17 horas – fechamento/despedida

A inscrição pode ser feita pelo formulário: https://forms.gle/TDjHsPNSQcWJA2nb7

As vagas são limitadas!!!
Recadinhos – Iremos vender bons drinks durante as nossas confraternização e teremos uma lojinha para vender alguns produtos da GARRa, todo o dinheiro é para manter a coletiva funcionando e financiando as nossas ações! 😉
programacao_carrossel_1programacao_carrossel_2programacao_carrossel_3programacao_carrossel_4

Verão Radical – Acampamento de Verão feminista radical

capa_fbperfil

 

Vem aí o Acampamento de Verão da GARRa feminista!

Serão 3 dias de programação em um sítio na região metropolitana de Belo Horizonte!
Falaremos sobre feminismo radical em discussões com mais aprofundamento, iremos oferecer também oficinas e cine debate, além de confraternizações para nos conhecermos melhor! Vamos aproveitar o verão ao lado de feministas radicais, conhecendo mulheres, estudando juntas o movimento feminista e curtindo as férias!

O acampamento irá ocorrer nos dias 17, 18 e 19 de Janeiro, sendo que todas as mulheres inscritas irão dormir no local. Será disponibilizado alimentação (café da manhã, almoço, lanche e janta), além da acomodação e do transporte do Centro de Belo Horizonte até o sítio localizado na cidade de Rio Acima.
O sítio é uma casa ampla que possui quartos com beliches, camas de casal e solteiro disponíveis, há também a opção para quem quiser levar barraca e acampar, a casa tem 4 banheiros disponíveis para uso coletivo, cozinha e ambientes para que todas tenham conforto.

A inscrição para o Acampamento tem um custo de R$72 reais, onde esse valor é para cobrir a alimentação completa, estadia e transporte (ida e volta do centro de BH até o sítio) durante os 3 dias. Nós da GARRa feminista não iremos ter nenhum lucro com esse valor, estamos cobrando apenas o que iremos gastar com o acampamento.

O acampamento é para mulheres maiores de 18 anos, e por ser em um local afastado do centro urbano não iremos aceitar crianças, pois não podemos garantir 100% a segurança delas em um local afastado de hospitais.

A inscrição pode ser feita pelo formulário: https://forms.gle/TDjHsPNSQcWJA2nb7

As vagas são limitadas!!!
Recadinhos – Iremos vender bons drinks durante as nossas confraternização e teremos uma lojinha para vender alguns produtos da GARRa, todo o dinheiro é para manter a coletiva funcionando e financiando as nossas ações! 😉
Programação completa em breve, fiquem ligadas!

Estudar, Organizar, Lutar!

8 de março – dia das mulheres trabalhadoras e a luta do feminismo radical.

SR9

“Mulheres Unidas” – poster do coletivo See Red

Hoje é comemorado o dia de luta das mulheres trabalhadoras, um dia para se lembrar de todas que construíram a luta feminista e contribuíram para a melhora dos direitos trabalhistas, mas também um dia para ir às ruas e continuar a luta que essas mulheres começaram. Ir para as ruas em atos é mostrar que, durante todo o ano, estaremos presentes para barrar e resistir aos ataques da direita, que atingem as mulheres seja em sua aposentadoria, seja pela intensificação da divisão sexual do trabalho. A divisão sexual do trabalho separa e estabelece uma hierarquia entre homens e mulheres, intensificando a diferença social nos postos de trabalho (trabalho “de mulher e de homem”) e dando valores monetários e sociais maiores para o trabalho dito masculino,  precarizando, assim, os postos de trabalhos ocupados por mulheres.

Estamos há dois meses de um governo de direita que se utiliza de uma batalha moral identitária para atacar e desmoralizar a esquerda,  e, ao mesmo tempo, apresenta planos de precarização do trabalho, que irão atingir com mais força as mulheres trabalhadoras. As mulheres são o maior contingente de desempregados no país, motivo pelo qual elas procuram trabalhos informais e perigosos, sejam aliciadas para a prostituição e sofram diversos tipos de violência e estigmatização. Além disso, as mulheres são as responsáveis pelo cuidado materno e do lar, tendo uma maior carga de trabalho e stress mental que os homens.  Para combater esse governo, precisamos estar organizadas e preparadas para enfrentar cada ataque direcionado a nós, precisamos entender como a divisão sexual do trabalho se evidencia nessa conjuntura.

O feminismo radical nasceu dentro da esquerda no final da década de 60 e não há como fazê-lo de outra maneira, a militância tem de ser feita pela esquerda e com todas as dificuldades que apresenta, não há atalhos na luta, é através da formação de base e da prática feminista que conseguiremos alcançar nossos objetivos.  A prática é o critério da verdade, é atuando no dia a dia que saberemos quais são as lutas e os anseios das mulheres brasileiras e conseguiremos definir com clareza nossas batalhas e estratégias. As feministas radicais do Brasil precisam se organizar e fazer a luta coletiva e, colocar as mulheres no centro da luta, é fundamental para o avanço da esquerda no país.

Neste 8 de março de 2019 a GARRa sai mais uma vez às ruas em marcha, para pedir justiça pelas vítimas de Brumadinho, atingidas pelas mãos da criminosa Vale e manifestar-se contra a reforma da previdência do governo Bolsonaro que só irá ampliar as desigualdades entre homens e mulheres na sociedade brasileira.  Lutamos também pela legalização do aborto e pela sua implementação de forma gratuita e segura em todo o SUS. O aborto ilegal segue sendo uma das principais causas de morte materna, uma evidência do controle patriarcal dos nossos corpos e a imposição da maternidade e da exploração da nossa capacidade reprodutiva.  Saímos em marcha para denunciar esse governo conservador e subserviente às pautas evangélicas, que declarou guerra às mulheres, querendo nos tomar o pouco que conquistamos!

Chamamos todas as feministas radicais do Brasil para juntarem-se conosco nessa luta, por um projeto feminista radical para todas as mulheres!